Leituras do mês | Abril 2015

Anúncios

2 ideias sobre “Leituras do mês | Abril 2015

  1. Lilian

    uia! mas olha, precisamos mesmo conversar sobre esse livro viu? Eu acho que o fio condutor da história é a submição feminina e o negócio é que mesmo a Jo, a personagem mais autêntica, no final das contas tem que ser domesticada. É como se o personagem dela servisse mesmo só pra mstrar como uma garota original no final das contas vai acabar se fudendo (fica pobre, casa com o estrangeiro pobre, tem que trabalhar, etc). E aquela parte da tia dela que preferiu a chata da irmã dela (e nunca que cola o Lorry ter ficado com ela, tipo, oi??) foi a prova cabal do fato que somente mulheres dóceis são boas mulheres. As que escondem os sentimentos, engolem a raiva e o orgulho e se submetem ao mundo são as mulheres que merecem felicidade. E a irmã mais velha, que quando casa faz muitas bobeiras, mas o marido dela é sempre magnanimo e ainda fala: ela é jovem mas eu vou ensiná-la. Tipo, não rola, não consegui me identificar com nenhum personagem porque todos faziam coisas que me davam uma raiva mortal; a irmã que morre era uma nula, não fez a menor diferença mesmo. e pode até ser que os valores eram aqueles da época, mas hoje em dia não tem como gostar dessa coisa. E ainda sim, Jane Austen e as irmãs Bronte, um século antes eram muito mais “subversivas”. Eu tinha vontade de jogar longe esse livro a cada 10 páginas mais ou menos! Nossa, muito ódio no meu coração!!!!!

    Resposta
    1. Olivia Autor do post

      Hahahaha! Gente, nao sei como você conseguiu terminar de ler! Entao, aos poucos e porque o livro é longo, as personagens acabaram fazendo certo sentido, mas concordo que é de passar raiva. Acho que a Jo deveria ter tido o final de escritora, poxa, custava nada, era só ela continuar escrevendo e no mundo da ficção o autor tem poder pra isso. Sobre as relações amorosas, agora que você falou fiquei pensando que nenhuma delas colou pra mim porque nunca houve condição de igualdade. A única relação na qual havia igualdade, da Jo com o Laurie, a autora vai lá e mela tudo. De resto, o homem é sempre superior, uma figura até paterna – o que é no mínimo estranho. A mulher sempre admira o homem. Nossa, fiquei menos feliz com o livro agora. Hahaha!
      Também ODIEI quando a tia levou a irmã mais nova. Aliás, a irmã mais nova toda é um horror. É de uma falsidade sem fim e ela é recompensada por isso! Vive para futilidades, para a beleza e riqueza, e é justamente isso que ela consegue. Achei uma grande injustiça com a Jo. Eu gosto da Jo, de verdade, fiquei com uma pena dela quando a irmã morreu e ela reconheceu que naquele momento ela aceitaria o Laurie…
      Sim, tambem acho que Jane Austen e irmãs Brontë fizeram muito mais pelas mlheres e pela própria literatura, mas tem também que em fins do XIX a sociedade era bem mais conservadora, né. Nem imagino nos EUA, nessa época tava nascendo a religiao mórmon, imagina só!

      Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s